03/05/2009

CASA DE RODOLFO TEÓFILO RELEGADA AO ESQUECIMENTO NO DISTRITO DE PAJUÇARA


Vc não pôde ir, mas vc não iria ficar contente com o que eu vi. Infelizmente a casa de Rodolfo Teófilo, localizada no distrito de Pajuçara, está sendo descuidada novamente. A presidência anterior da Sopoema (Sociedade dos Poetas e Escritores de Maracanaú) não fez um bom trabalho e a casa perdeu "vida". O mato tomou de conta, eis mais uma atividade de (re)vitalização em Maracanaú. Depois que entrei nas pesquisas de História e Memória, não posso ver mais nada abandonado que dá vontade de dar "vida". rsrsrs Sinal que estou virando peça de museu. rsrs
Contudo, os artistas de Maracanaú fizeram um excelente trabalho em suas apresentações. A casa não estava bem estruturada para o Evento do Abraço, mas em compensação seus artistas deram um show. Parabéns a todos eles!
CONVITE: Quinta-feira (07/05), às 17h, na Biblioteca Pública Municipal, teremos uma reunião com o novo Presidente da Sopoema (Tinoco) para planejarmos como dar vida cultural a Casa de Rodolfo Teófilo. Querendo nos ajudar, sinta-se convidado(a).Abraços! (Gildênia)
Anterior Proxima Inicio

Um comentário:

  1. Desde a sua fundação(1999), a SOPOEMA empunhou bandeira de luta em prol da Casa de Rodolfo Teófilo, por representar um bem inestimável de grande valor simbólico e histórico não só para Maracanaú mas todo o Ceará.
    Diferente do que dizem alguns, a Casa nunca foi tão valorizada como agora: reforma da estrutura física, que se encontrava em ruínas; monumento da cajuína em homenagem ao escritor que inventou e fabricou a bebida; construção de muro, calçada, banheiro e iluminação externa, e o que considero mais importante: o tombamento da Casa, através da lei municipal n° 1.189, de 17 de abril de 2007. Entretanto, há muito ainda a ser feito.
    Durante 3 anos estive como Presidente da SOPOEMA(2006-2008). Foi um período de grandes aprendizados, realizações, mas também de grandes dificuldades. Nesse período, foram realizadas:
    -36 reuniões, todas registradas em Ata;
    -Reforma do Estatuto, que se encontrava obsoleto, adequando-o ao Novo Código Civil;
    -Abertura de conta-corrente em banco oficial, pré-requisito para firmação de convênios;
    -Repasse de recursos financeiros, através de convênio, pela Fundação de Cultura de Maracanaú;
    -Quitação de débito antigo junto à Receita Federal.
    COMO ATIVIDADES CULTURAIS, DESTACO:
    -3 Abraços à Casa de Rodolfo Teófilo;
    -“I Concurso Literário Rodolfo Teófilo”, que premiou os trabalhos de estudantes nas categorias Poesia e Crônica;
    -Parceria no “Concurso Literário Letras e Mulher”, promovido pela Assessoria de Políticas Públicas para as Mulheres;
    -I Encontro de Poetas e Escritores de Maracanaú;
    -Participação na Bienal Internacional do Livro, com exposição e apresentações dos poetas em Recital de Poesia no Café Literário da Bienal;
    -Organização de palestra do escritor Ricardo Kelmer (Rio de Janeiro) para estudantes de Maracanaú, no Teatro Dorian Sampaio;
    -Participação na Semana do Livro da empresa Dakota, em Maranguape;
    -Participação nos Encontros Municipal e Regional de elaboração da Constituinte Cultural do Ceará;
    -Participação nas Conferências Municipal, Regional e Estadual de Políticas Públicas para as Mulheres;
    -Participação em apresentações culturais promovidas pela Fundação de Cultura de Maracanaú.
    Destaco ainda a conquista do TROFÉU JUBILEU DE PRATA, concedido pela Prefeitura de Maracanaú, reconhecendo a SOPOEMA como entidade literária que muito contribuiu e contribui para o desenvolvimento social, artístico e cultural deste Município.
    Portanto, criticar ou responsabilizar a presidente anterior pela situação em que se encontra a Casa é, no mínimo, falta de informação. Além do mais, a entidade não é feita somente pelo/a presidente, mas é conduzida por uma Diretoria, escolhida por um processo transparente e democrático pelos seus membros.
    A sociedade em geral também tem um grande papel nesse processo: além de cobrar deve se sentir corresponsável pela situação, seja ela favorável ou não; ao invés de fortalecer os poucos movimentos existentes em prol da causa, faz o inverso: responsabiliza uma entidade por algo que está para além dela: a tímida atuação do poder público, a baixa consciência política e cidadã da população, ou seja, o “estádio incipiente da democracia brasileira que lhe impõe amarras, para a garantia dos privilégios das elites conservadoras” (VILANOVA, 2004:177).
    Não percebe que o que as elites querem é desagregar e fragmentar os movimentos visando a manutenção dos seus desvelados objetivos, enfraquecer a luta e realizar plenamente o seu intuito. É como num ato de “violência simbólica”, nos dizeres do sociólogo francês Pierre Bourdieu, para quem o poder simbólico é “esse poder invisível que só pode ser exercido com a cumplicidade daqueles que não querem saber que lhe estão sujeitos ou mesmo que o exercem (...) É um poder quase mágico que permite obter o equivalente daquilo que é obtido pela força – física ou econômica – graças ao efeito específico de mobilização, só se exerce se for reconhecido, quer dizer, ignorado como arbitrário” (Bourdieu, 1989:08-14).
    Edna Martiniano.
    Socióloga, sócia-fundadora da SOPOEMA, ex-presidente e atual Secretária da entidade.

    ResponderExcluir

Scroll To Top