19/09/2008

OFICIAIS COMANDARÃO SEGURANÇA DAS ELEIÇÕES NA CAPITAL E INTERIOR


Um total de 200 Oficiais da Polícia Militar do Ceará que comandarão as ações de policiamento na Capital e no Interior do Estado, reuniram-se no auditório da Procuradoria Geral da Justiça do Ceará, para receberem orientações do Estado Maior Especial da Operação Eleição (EMESP 2008). O comando da PM vai liberar, para garantir a segurança das eleições no Estado, um total de 4.407 policiais para esse trabalho em todo o Estado. Do total, 919 são da Capital; 383, da Região interiorana; e 3.193, são das próprias Companhias, Pelotões e/ ou Batalhões de cada cidade. Na Capital e Região Metropolitana, cerca de 6.500 policias militares estarão de serviço no próximo dia 5 de outubro.

O coronel Prado explicou que os 200 oficiais presentes serão ´multiplicadores´ das orientações repassadas na reunião. Considerando que, parte deles comandará os destacamentos que seguirão para os municípios, enquanto a outra trabalhará na fiscalização das Zonas de Fortaleza e Região Metropolitana.

Municípios

Além disso, ainda segundo o coronel, todos as cidades do interior do Estado que já receberam reforço policial no início do mês, vão receber mais um contingente. Este, no entanto, só deve partir no dia 25, quando todos os policiais militares designados para Operação Eleição viajarão para seus respectivos municípios de atuação neste período.

O coordenador do Centro de Apoio Eleitoral, o promotor Emanuel Girão, esteve no encontro repassando informações sobre as mudanças na nova legislação eleitoral. ´Este encontro é importante exatamente para que não haja qualquer dúvida quanto à atuação policial no dia da eleição e, também, nos dias que a antecedem´, disse. Sobre os municípios com acirramento de campanhas e que já solicitaram reforço policial ao TRE, de acordo com Girão, a orientação é manter contato com o promotor de justiça no local, ´se o caso for de prisão, ele ( promotor) já vai orientar nesse sentido´.

O coordenador afirmou ainda que o planejamento das ações policiais é uma das maiores preocupações do Ministério Público. Por este motivo, também já foram realizados treinamento com os delegados da polícia federal e civil. ´É preciso destacar que, embora a atribuição do crime eleitoral seja da polícia federal, não há nulidade se o flagrante for feito pela civil. Então eles podem executar prisão e fazer o encaminhamento à delegacia da polícia para ser dada entrada em procedimento´, explicou Girão.

O chefe da Operação Eleição, Coronel Hélio Severiano ressaltou que o contato dos destacamentos em cada município será o juiz da zona eleitoral e o promotor. ´Não devem aceitar ofertas das Prefeituras´ disse, acrescentando: ´não vamos permitir que o pleito deste ano seja prejudicado por nenhuma autoridade. Temos juiz e promotor do nosso lado, só errará quem quiser´. O Coronel afirmou ainda que o Plano de Segurança deve ser entregue à desembargadora Huguette Braquehais na segunda-feira.
Anterior Proxima Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Scroll To Top